Ventilação, Climatização e Refrigeração

Técnica e Industrial

Objectivos do Curso

O curso visa dotar os formandos de preparação técnica teórica e prática de forma  a desenvolverem competências que lhes permitam trabalhar nas especialidades de ventilação, climatização e refrigeração.

  • Curso: Ventilação, Climatização e Refrigeração
  • Área: Construção Civil
  • Versão: V.8
Solicitar mais informação Inscrever-me no curso Descarregar PDF do curso
O curso está direccionado a qualquer pessoa que pretenda iniciar-se na área da ventilação, climatização e refrigeração quer de sistemas domésticos, quer de sistemas profissionais de pequena / média dimensão. Este curso é igualmente adequado para pessoas que, tendo já alguma experiência profissional no ramo, seja pela vertente técnica, seja pela vertente comercial, pretendam aprofundar, estruturar e sistematizar os seus conhecimentos.
Para a frequência desta formação não são exigidos pré-requisitos especiais, sendo apenas recomendada a frequência anterior do ensino secundário, ou experiência prática em contexto profissional.
Como é norma nos cursos do INEPI, os formadores conjugam uma relevante formação académica com uma experiência profissional prática e efectiva, sendo profissionais deste sector de actividade, com um conhecimento muito directo e prático das necessidades efectivas com que os formandos se confrontarão num contexto real de trabalho.

O curso tem uma estrutura linear, estando dividido em unidades pedagógicas, e é ministrado de forma contínua e sequencial.

É um curso que tem uma forte componente prática em oficina / laboratório próprio do INEPI, sendo que esta componente ocupa cerca de ¼ da carga horária total do curso. 

Algumas destas unidades pedagógicas correspondem a Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD) do Catálogo Nacional de Qualificações (CNQ) (ver explicação mais abaixo no item referente a Certificações).

O curso é composto pelas seguintes UFCD:

1264 – Centrais de climatização – montagem e reparação

1262 – Aparelhos de climatização – instalação e reparação

1250 – Reparação e montagem em frigoríficos, congeladores e desumidificadores

1252 – Instalações Frigoríficas – Componentes Mecânicos

No final desta formação o formando estará apto a executar um estudo de climatização, ventilação e refrigeração de um espaço, elaborando as respectivas cargas térmicas, traçando condutas, seleccionando equipamento, utilizando meios manuais ou informáticos, fazendo a escolha dos equipamentos a aplicar, sabendo seleccionar os fornecedores em função das especificações dos produtos a aplicar. O formando estará igualmente apto a executar intervenções ao nível de montagem e manutenção deste tipo de sistemas, ao nível de equipamentos domésticos e de pequena / média dimensão.
No final do curso, os formandos poderão ingressar em empresas instaladoras da área, empresas distribuidoras ou /e importadoras de equipamento, empresas de assistência e manutenção, e em sectores de manutenção de grandes empresas, etc. Poderão executar trabalhos por conta própria, como técnicos da área térmica especialmente preparados para climatização e refrigeração. O INEPI tem uma estrutura própria para angariação de estágios (ou emprego) para os formandos, junto de empresas suas clientes, ou outras, sendo que com algumas tem protocolos específicos para esse efeito. Sempre que possível mas sem que tal o seja um compromisso efectivo (pois tal depende da disponibilidade das empresas), o INEPI propiciará a frequência de estágio aos seus formandos.
No final do curso o formando terá direito a um certificado de formação profissional, nos termos da legislação em vigor. O curso não confere grau académico. Este curso integra ainda as seguintes Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD), constantes no Catálogo Nacional de Qualificações (CNQ). Não obstante o reconhecimento destas unidades não ser directo, os formandos que mais tarde, ao longo da sua vida profissional, pretendam eventualmente vir a obter a qualificação de Técnico de Técnico de Refrigeração e Climatização, conforme o referencial do CNQ, poderão obter o reconhecimento destas UFCD por via de um processo de RVCC (Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências), a efectuar por um Centro Qualifica, não necessitando de frequentar novamente estas UFCD (para mais informação, consultar o Catálogo Nacional de Qualificações no site www.anq.gov.pt). Apesar de, para o exercício da profissão, não ser obrigatória a qualificação acima referida, ela poderá ser uma valência curricular interessante para o profissional de climatização e refrigeração.
O curso adopta uma metodologia expositiva, na sua componente teórica, mas inclui também uma forte componente prática, através do desenvolvimento de trabalhos em laboratório / oficina. A componente prática assume-se como um elemento crucial deste curso, e representará cerca de ¼ da carga horária total do curso.
Os principais meios didácticos a utilizar na componente de formação teórica serão os meios audiovisuais e documentação de apoio ao curso. Na componente prática, a formação decorrerá em laboratório / oficina própria do INEPI, com recurso aos equipamentos e materiais necessários à execução dos trabalhos práticos inerentes ao curso. A aquisição de bibliografia eventualmente recomendada, ou de meios técnicos que o formando possa utilizar na sua vida profissional pós-curso, são da responsabilidade dos formandos. Por norma, qualquer documentação fornecida pelo INEPI, para apoio à formação, é disponibilizada em formato digital. Se o formando a pretender na forma impressa (em papel), o custo desse serviço ser-lhe-á debitado.
A avaliação tem por base por base 5 vectores referenciais que são: • Assiduidade • Participação • Exercícios realizados • Testes • Trabalhos práticos A escala de avaliação utilizada é de 0 a 20.
A duração do curso é de 200 horas (aproximadamente 10 meses de duração efectiva de curso), divididas em 150 horas de formação teórica e 50 horas de formação prática em oficina / laboratório. As condições quanto a horários disponíveis, preços e condições de pagamento são as que, à data, constarem da tabela de condições dos cursos, do INEPI. Esta informação é fornecida directamente pela Secretaria. As condições contratuais são as constantes no Regulamento Interno do INEPI (disponível na Secretaria do INEPI e no site www.inepi.pt).

1250 – Reparação e montagem em frigoríficos, congeladores e desumidificadores (40hT+10hP)

Princípio de funcionamento de um circuito frigorífico

Circuito termodinâmico

-Evaporação

-Condensação

Comportamento do fluído num circuito frigorífico

Dispositivo de laminagem por tubo capilar

Transmissão de calor

Unidades de calor e temperatura

Pressões e depressões

Unidades de pressão

Manómetros de alta e baixa

Escalas manométricas

Fluidos frigorigéneos

Classificação dos fluidos frigorigéneos

Problemas ambientais provenientes da utilização dos fluidos frigorigéneos

Nomenclatura, características e aplicação dos vários fluidos frigorigéneos

Procedimentos a seguir para a substituição dos fluidos frigorigéneos

Cuidados a observar no manuseamento dos fluidos frigorigéneos

Recuperação e reciclagem dos fluidos frigorigéneos

Importância da recuperação e reciclagem

Equipamento de recuperação

Equipamento de reciclagem

Normas europeias de segurança

Pressões de exercício

Detecção de fugas

Detector de fugas electrónico, espumas e outros

Componentes que integram os frigoríficos e / ou congeladores

Compressor hermético

Enrolamento auxiliar e de serviço

Condensador estático e ar forçado

Moto ventilador

Evaporador

Termóstato electromecânico e electrónico

Termómetro analógico e digital

Relé de corrente e de tensão

Sistema PTC e NTC

Protector térmico

Condensador de arranque e de serviço

Interruptor de porta

Borracha da porta com perfil de aba larga, estreita e com zona magnética

Avarias mais comuns e seus sintomas

Montagem de componentes

Termóstato

            -Identificação das saídas dos contactos

-Fixação da sonda no evaporador

Interruptor de porta

Lâmpada interior

Relé de arranque

Condensador de arranque

Relé de arranque

Condensador de arranque

Protector térmico

Borracha de porta

Filtro secador

            -Sentido e posição correcta do filtro

Restrição à entrada de humidade na instalação

Operação de vácuo

Carregamento da instalação com gás refrigerante

Detecção de possíveis fugas

Selagem do tubo de carga

Permutador ventilado

-Helicoidal

-Centrífugo

Tangencial

Controlo da percentagem de humidade

Noções de humidade relativa, absoluta e ponto de saturação

Higrómetros de fita e electrónicos

Humidostatos de fita e electrónicos

Termo-higrómetros de bolbo seco e húmido

Analógicos

Digitais

 

 

1252 – Instalações Frigoríficas – Componentes Mecânicos (30hT + 20hP)

Local destinado à unidade condensadora

Selecção dos vários materiais a aplicar na instalação

-Catálogos e tabelas

Evaporadores

-Estático com e sem resistências

-Ar forçado com e sem resistências

-Ar forçado monofluxo e duplo fluxo

-Local ideal para instalação

-Técnicas de fixação

-Tubo de drenagem com e sem resistências

Dispositivos de expansão

-Válvula de expansão termostática com e sem igualização externa

-Válvula de expansão automática

-Válvula de expansão electrónica

-Capilar

-Restritores

Operação de vácuo

Carregar a instalação com fluido refrigerante

Colocar óleo no compressor

Sistemas de descongelação

-Natural

-Ar forçado

-Resistências

- Inversão de ciclo

-Aspersão

Pressóstatos de

-Baixa

-Alta

-Alta e baixa

-Diferencial de óleo

-Zona neutra

Válvulas de

-Retenção

-Reguladora de pressão de condensação

-Reguladora de pressão de evaporação

-Reguladora de pressão de aspiração

-Reguladora de pressão modular

-Com solenóide

-Reguladoras de capacidade

Condensadores

            -Ar forçado

-Arrefecidos a água

-Torre de arrefecimento

-Evaporativos

Separadores de óleo

-Com ligações de soldar

-Com ligações de aperto

Permutadores de calor

Acumuladores de líquido

Filtros secadores

-Filtros não recarregáveis

-Filtros recarregáveis

-Filtros de núcleo sólido

Características das seguintes instalações

-Instalações frigoríficas para temperaturas positivas

-Instalações frigoríficas para temperaturas negativas

-Instalações frigoríficas mistas (temperaturas positivas e negativas)

 

1264 – Centrais de climatização – montagem e reparação (40hT + 10hP)

Renovação de ar

Recirculação de ar

Grelhas e difusores simples e motorizados

Filtros de ar

Depuradores de ar

Humidificação do ar

Desumidificação do ar

UTA (Unidade de Tratamento de Ar)

Sistemas de ventilação

 

 

 

1262 – Aparelhos de climatização – instalação e reparação (35hT + 15hP)

Princípios de funcionamento dos aparelhos de climatização

Circuito termodinâmico

Circuito inversor de ciclo

Circuito eléctrico interno

Circuito INVERTER

Intercomunicação eléctrica e controlo

Tipos e características dos vários aparelhos de climatização de expansão directa

-Compacto de janela

-Mono e Multisplit

-Murais, cassete, chão, teto, vertical e baixo perfil

-VRV a dois e três tubos

-Centrais a “a”r e “ar água” com ligação a condutas e insuflação directa

Sistemas de fluido secundário

-Chiller

-Água - água

-Água - ar

-Só frio

-Só calor a dois tubos

-Frio e calor a quatro tubos

Compressores

-Herméticos

-Abertos

-Semi-herméticos

-Alternativos

-Scroll

-Palheta

Dispositivos de expansão

Válvulas

- Manuais

- Electrónicas

Válvulas de expansão termostáticas

- Equalização interna

- Equalização externa

Capilar

Restritor

Evaporadores tubulares alhetados

Controlo de funcionamento

-Centralizado

-Distância

-Por cabo

-Electromecânico

Comando e protecção

Pressóstatos

-Controlo de gelo

-Válvulas de descarga

-Termóstatos

-Pressóstato de diferencial de pressão de óleo

Sistemas de drenagem

-Bombeada

-Canalizada

-Hidrónica

Operações necessárias à montagem e afinação de aparelhos de climatização

-Escolha do local para instalação da unidade interior e exterior

-Tubagem

-Isolamento Térmico

-Temperaturas e pressões de exercício

Normas

Regulamentos de segurança

-Decreto-Lei n.º 152/2005, de 31 de Agosto

Porquê estudar no INEPI

Abrangendo diversas áreas de formação, o INEPI tem das ofertas mais alargadas do mercado, dando especial ênfase às áreas técnicas, sendo esta uma das suas características mais inovadores enquanto entidade formadora.

Trabalhando tanto na vertente de formação de catálogo (também chamada inter-empresas), como na formação por encomenda (intra-empresas), com acções de curta, média e longa duração, o INEPI dispõe de uma estrutura técnica, pedagógica e administrativa que lhe permite dar resposta a todo o tipo de solicitações no âmbito da formação profissional.